Behavioral Treatment for Weight Gain Prevention Among Black Women in Primary Care Practice: A Randomized Clinical Trial

Importância
Alguns tratamentos para a perda de peso produzem resultados de perda de peso clinicamente significativos entre mulheres negras, sobretudo no contexto dos cuidados primários. Novas estratégias de controle de peso são necessárias para essa população. A prevenção do ganho de peso pode ser uma opção de tratamento eficaz, com benefícios específicos para mulheres negras com sobrepeso e obesas de Classe 1.

Objetivo
Comparar as variações de peso e risco cardiometabólico durante um período de 12 meses entre mulheres negras randomizadas em uma intervenção comportamental baseada em cuidados primários visando à prevenção do ganho de peso em relação aos cuidados habituais.

Método, cenário e participantes
Ensaio clínico randomizado com duas ramificações (Programa Shape). Foram recrutados pacientes de um sistema composto por seis centros de saúde comunitários. Dividimos aleatoriamente 194 mulheres negras em pré-menopausa com sobrepeso e obesas de Classe 1 (índice de massa corporal (calculado como peso em quilogramas dividido pela altura em metros quadrados), 25-34,9), com idades entre 25 a 44 anos. O recrutamento começou em 7 de dezembro de 2009. As avaliações de 12 e de 18 meses foram feitas em fevereiro e 2 de outubro de 2012.

Intervenções
A intervenção de intensidade média incluiu metas personalizadas de mudança comportamental, automonitoramento semanal por resposta interativa de voz, reuniões de aconselhamento mensais, materiais de treinamento em habilidades adaptados e inscrição em academia de ginástica.

Principais resultados e medidas
Variação em doze meses referente ao peso e ao índice de massa corporal e manutenção da mudança em 18 meses.

Resultados
Os participantes tinham idade média de 35,4 anos, peso médio de 81,1 kg e índice de massa corporal médio de 30,2 no início do estudo. A maioria era socioeconomicamente desfavorecida (79,7% com nível de escolaridade inferior ao diploma universitário, 74,3% apresentando renda anual < $ 30.000). A variação de peso aos 12 meses foi maior entre os participantes da intervenção ((DP) médio, -1,0 (0,5) kg), em relação aos cuidados habituais (0,5 (0,5) kg; diferença média, -1,4 kg (IC 95%, -2,8 a -0,1 kg) ,P= 0,04). No 12º mês, 62% dos participantes da intervenção mantiveram ou perderam peso em relação ao início do estudo em comparação com 45 % dos participantes do grupo de cuidados habituais (P= 0,03). Aos 18 meses, os participantes da intervenção mantiveram mudanças significativamente maiores de peso (diferença média, -1,7 kg; IC 95%, -3,3 a -0,2 kg).

Conclusões e relevância
A intervenção comportamental de média intensidade baseada em cuidados primários demonstrou eficácia na prevenção do ganho de peso entre mulheres negras socioeconomicamente desfavorecidas. A abordagem "Mantenha, mas não ganhe" pode ser um tratamento alternativo útil para reduzir o risco de doenças associadas à obesidade entre algumas mulheres negras na pré-menopausa.


Autor / Fonte:Bennett GG, Foley P, Levine E, et al. JAMA Intern Med.
Link: http://www.univadis.com.br/jama-network/Intervencao-parece-eficaz-para-evitar-o-ganho-de-peso-entre-mulheres-negras