HUMORDAZ: humor plural e ideias singulares.

belo horizonte, mg, brasil | ano 1 | nº 00 | 01 a 07 de junho 2015HUMOR DE PRIMEIRA, TODA SEGUNDA
PARTICIPAM DESTA EDIÇÃO:
Aragão | Batista | Cynthian B.
Balmaceda Parker | Boligán 
Lor | Mazio | Thalma
LOR, Thalma, Batista, André Mazio e Aragão: agora, vai!

Editorial 

Ah, o HUMOR... Aquilo que nos diferencia do restante dos animais; que nos dá coragem para viver nesse mundo sem graça; a força que nos leva a rir de algum desconhecido que vemos cair na calçada; ou, simplesmente,algo que pode nos fazer sermos processados, perder nossos empregos ou tomar um sopapo em um bar qualquer após aquela piadinha que não caiu bem. 

Essa coisa mágica chamada HUMOR, que é também o que faz um projeto editorial de 1975 que suicidou dois anos depois diante das adversidades de um país sob ditadura militar renascer 40 anos depois, unindo cartunistas de uma mesma cidade em torno de uma mesma ideia... que é fazer HUMOR. 

O HUMORDAZ nasceu como suplemento de cartuns e quadrinhos dentro do jornal Estado de Minas, na década de 70, capitaneado por Lor e Procópio, que foram reunindo gente como Afo, Dirceu, Mario Vale, Nilson, Aroeira, Clacchi, e convidados como Marcos Benjamim e Nani. Como o tempo não era de risada, o projeto não foi pra frente pelas dificuldades à época. Mas os cartunistas não pararam de ir pra frente, desenhar, e principalmente, se reproduzir. 

Assim, em 2015, o projeto volta à vida, pela internet, reunindo gerações de cartunistas mais alguns convidados, publicando semanalmente às segundas-feiras textos e cartuns de humor sobre determinados temas. Essa é a primeira edição desta nova fase do HUMORDAZ. Dela participam Lor, Aragão, Batista, Thalma, André Mazio, Balmaceda Parker e nossos convidados especiais: o mexicano Angel Boligán e a carioca Cynthia B. Esperamos que venham muitos acertos e alguns erros, e ter esse espaço sem as amarras editoriais da imprensa atual. Esperamos encontrar você, leitor, aqui, toda semana. 

E esperamos que, por internet, os sopapos que a gente toma em bar de vez em quando diminuam sensivelmente. Boa segunda!


Elvis não morreu. Então...
... mais