Screening for physical inactivity among adults: the value of distance walked in the six-minute walk test. A cross-sectional diagnostic study

ABSTRACT:

CONTEXT AND OBJECTIVES:

Accelerometry provides objective measurement of physical activity levels, but is unfeasible in clinical practice. Thus, we aimed to identify physical fitness tests capable of predicting physical inactivity among adults.

DESIGN AND SETTING:

Diagnostic test study developed at a university laboratory and a diagnostic clinic.

METHODS:

188 asymptomatic subjects underwent assessment of physical activity levels through accelerometry, ergospirometry on treadmill, body composition from bioelectrical impedance, isokinetic muscle function, postural balance on a force platform and six-minute walk test. We conducted descriptive analysis and multiple logistic regression including age, sex, oxygen uptake, body fat, center of pressure, quadriceps peak torque, distance covered in six-minute walk test and steps/day in the model, as predictors of physical inactivity. We also determined sensitivity (S), specificity (Sp) and area under the curve of the main predictors by means of receiver operating characteristic curves.

RESULTS:

The prevalence of physical inactivity was 14%. The mean number of steps/day (≤ 5357) was the best predictor of physical inactivity (S = 99%; Sp = 82%). The best physical fitness test was a distance in the six-minute walk test and ≤ 96% of predicted values (S = 70%; Sp = 80%). Body fat > 25% was also significant (S = 83%; Sp = 51%). After logistic regression, steps/day and distance in the six-minute walk test remained predictors of physical inactivity.

CONCLUSION:

The six-minute walk test should be included in epidemiological studies as a simple and cheap tool for screening for physical inactivity.

Key words: Motor activity; Physical fitness; Accelerometry; ROC curve; Body mass index.

RESUMO:

CONTEXTO E OBJETIVOS:

A acelerometria fornece medida objetiva do nível de atividade física, porém não é viável na prática clínica. Assim, foram investigados testes de aptidão física capazes de predizer inatividade física em adultos.

DESENHO E LOCAL:

Estudo de teste diagnóstico, desenvolvido em laboratório universitário e uma clínica de diagnósticos.

MÉTODOS:

188 participantes assintomáticos tiveram o nível de atividade física avaliado por acelerometria, ergoespirometria em esteira, composição corporal por bioimpedância, função muscular isocinética, equilíbrio postural em plataforma de força e teste de caminhada de seis minutos. Foram realizadas análise descritiva e regressão logística múltipla, incluindo idade, sexo, consumo de oxigênio, gordura corporal, centro de pressão, pico de torque de quadríceps, distância percorrida no teste de caminhada de seis minutos e passos/dia no modelo como preditores da inatividade física. Adicionalmente, foram determinadas a sensibilidade (S), especificidade (Sp) e área abaixo da curva dos principais preditores por meio de curvas de característica de operação do receptor.

RESULTADOS:

A prevalência da inatividade física foi 14%. O número médio de passos/dia (≤ 5357) foi o melhor preditor da inatividade física (S = 99%, Sp = 82%). O melhor teste de aptidão física foi a distância no teste de caminhada de seis minutos e ≤ 96% dos valores preditos (S = 70%; Sp = 80%). A gordura corporal > 25% também foi significativa (S = 83%, Sp = 51%). Após regressão logística, passos/dia e a distância no teste de caminhada de seis minutos permaneceram preditores da inatividade física.

CONCLUSÃO:

O teste de caminhada de seis minutos deve ser incluído em estudos epidemiológicos como ferramenta simples e barata para triagem da inatividade física.

Palavras-Chave: Atividade motora; Aptidão física; Acelerometria; Curva ROC; Índice de massa corporal. 

 


Autor / Fonte:Evandro Fornias Sperandio, Rodolfo Leite Arantes, Rodrigo Pereira da Silva, more. São Paulo Medical Journal, Revista Paulista de Medicina 2016, 134 (1): 56-62
Link: http://www.scielo.br/pdf/spmj/v134n1/1516-3180-spmj-134-01-00056.pdf